258 094 093 • 913 862 420 geral@fcan.pt
A Minha Casa. Habitar, acolher e viver a idade Sénior

A Minha Casa. Habitar, acolher e viver a idade Sénior

10.00

Coordenação: Álvaro Campelo

Categoria:

Descrição

Introdução
Coordenação do Colóquio
O Colóquio “A Minha Casa. Habitar, acolher e viver a idade Sénior”, promovido pela Fundação Caixa Agrícola do Noroeste, no dia 17 de Fevereiro de 2018, no Auditório da Sede do Crédito Agrícola do Noroeste, em Viana do Castelo, pretendeu estabelecer um debate sobre um dos principais desafios colocados à sociedade, deste início de século: o direito dos idosos a uma casa de acolhimento, que fosse sentida como “a sua casa”, ou seja, onde pudessem viver e satisfazer as expetativas de uma plena qualidade de vida na fase final do seu percurso vital.
Havia duas ordens de questões a discutir:
I. a existência ou não de equipamentos residenciais destinados a idosos, com respostas específicas para os seus problemas, enquanto pessoas debilitadas a nível físico, emocional, social e mental. A sociedade contemporânea, marcada pelo acentuado envelhecimento demográfico, pelas transformações económicas e sociais, onde o conceito de utilidade e produção define uma grande parte do papel dos cidadãos quanto à sua inserção social, e ainda pelas dificuldades das instituições clássicas do ‘cuidar’, onde se destaca a família (com novos papeis e novos valores), trouxe novas responsabilidades aos decisores públicos, às instituições sociais (onde se destacam as IPSS) no que respeita ao acolhimento e cuidado a dispensar aos idosos. É de todos conhecida a angústia das famílias e a dificuldade dos responsáveis políticos e sociais em dar resposta à crescente necessidade de acolhimento de idosos. Não raro, em alta hospitalar, acontece serem os idosos abandonados nos hospitais, por falta de rede familiar ou uma outra razão mais desumana mais ultrajante.
ll. Havendo instituições e equipamentos residenciais, que tipologias a adotar para que elas sejam, em primeiro lugar, acessíveis, nos casos
onde deve imperar a justiça social, para que todos possam ter acesso a essas instituições; e, em segundo lugar, quais as novas tipologias e iniciativas empresariais que sejam inovadoras, satisfaçam todos os requisitos de qualidade de vida dos idosos, e inseridas num mercado cada vez mais audacioso, com respostas específicas para públicos diferenciados. Convém dizer que estas respostas e modelos residenciais, sejam os criados no âmbito do Estado Social, sejam os empresariais, se diferentes ao nível da qualidade e diversidade dos equipamentos, todos devem ter em conta modelos inovadores de relação com os idosos e sua qualidade de vida, mitigando o isolamento e satisfazendo as expetativas dos idosos, mantendo os laços sociais e familiares dos seus utentes, assim como respeitando a autonomia de cada idoso e o seu direito a decidir o projeto de vida, mesmo que se deva salvaguardar as exigências operacionais e administrativas destes equipamentos residenciais.
A razão da ter sido a Fundação Caixa Agrícola Noroeste a assumir a organização deste evento, e iniciar uma reflexão sobre os idosos e as consequências do envelhecimento da nossa sociedade tem fundamento nos objetivos que estiveram na sua origem, enquanto instituição ao serviço da comunidade e promotora de reflexão sobre as grandes questões do nosso tempo. No futuro, pretende a Fundação dar continuidade à análise dos problemas e desafios associados aos Seniores, com outros eventos, nacionais e internacionais.

Informação adicional

Coordenação

Álvaro Campelo